Nove anos da Reserva Pedra D’Antas

No dia 1º de junho, a Reserva Pedra D’Antas conquistou mais um ano de existência em prol da conservação da biodiversidade do Centro de Endemismo Pernambuco. São 9 anos de existência desde que foi reconhecida como RPPN (Reserva Particular do Patrimônio Natural) pela Agência Estadual do Meio Ambiente, no ano de 2011.
Com atuação desde o ano de 2004, através do Projeto Mata Atlântica do Nordeste, a nossa Reserva protege 362 hectares na Serra do Urubu, um importante remanescente de Floresta Atlântica, reconhecido internacionalmente como uma área prioritária para a conservação das aves e da biodiversidade, junto com a sua vizinha RPPN Frei Caneca.
Ao longo de 15 anos de história, 285 espécies de aves já foram registradas na paisagem da Serra do Urubu, abrigando 13 espécies ameaçadas de extinção internacionalmente e 15 espécies e 11 subespécies ameaçadas nacionalmente.
Mesmo em frente ao atual cenário de pandemia devido ao COVID-19, as atividades de ronda, manutenção do Jardim dos Beija-flores, manutenção da Torre e monitoramento da avifauna e mastofauna da Reserva continuam em andamento, graças ao nosso Assistente de Campo. Dentre as novidades em meio a quarentena, destacamos o registro de uma nova espécie de mamífero para a Reserva Pedra D’Antas, a cuíca-de-três-listras (Monodelphis americana), um pequeno marsupial endêmico do Brasil que possui como principal característica as 3 listras na região das costas. Além disso, registros constantes de pacas (Cuniculus paca), tatus-galinha (Dasypus novemcinctus) e cutias-de-dorso-preto (Dasyprocta prymnolopha) tem sido realizado por nossas cameras traps, o que nos enche de alegria, pois sabemos que a Reserva tem protegido estas espécies, devido a pressão da caça sobre as mesmas na região.

Cuíca-de-três-listras (Monodelphis americana). Foto em cores da espécie: João Vitor Perin Andriola.   
Paca (Cuniculus paca)
Tatu-galinha (Dasypus novemcinctus)

O projeto Mata Atlântica do Nordeste é possível graças aos apoiadores que acreditam no trabalho da SAVE Brasil: BirdLife International, Aage V. Jensen Charity Foundation, American Bird Conservancy, WWF-Brasil e Marshall Reynolds Foundation.