Campanha promove a visibilidade da comunidade negra observadora de aves

No último dia 25/5, um caso de discriminação racial mobilizou a comunidade negra de observadores(as) de aves nos Estados Unidos. Um homem negro, Christian Cooper, foi falsamente acusado de ameaçar uma mulher branca enquanto observava aves no Central Park, famoso parque urbano localizado no coração de Nova Iorque. No mesmo dia, outro homem negro, George Floyd, foi brutalmente assassinado por um policial branco também nos Estados Unidos. Casos como estes reverberam a situação que, infelizmente, ainda acontece diariamente no Brasil. 

A SAVE Brasil valoriza a biodiversidade em todas as suas formas, incluindo a diversidade humana. Nós abominamos o racismo e qualquer forma de discriminação. Por isso, ecoamos ações que celebrem a diversidade e a luta antirracista.

O caso Cooper inspirou a criação da #BlackBirdersWeek (traduzida livremente como “Semana das Pessoas Pretas Observadoras de Aves”, cujo objetivo foi dar visibilidade à comunidade negra que pratica a observação de aves nos Estados Unidos. A iniciativa pioneira, criada por um grupo de aproximadamente 30 cientistas e observadores de aves negros, aconteceu na semana passada, entre 31 de maio e 5 de junho. 

O evento contou com uma série de atividades virtuais de estímulo a discussão sobre a necessidade de garantir a equidade de acesso e segurança à população negra nos espaços naturais. É comum que pessoas negras sejam hostilizadas e sintam-se inseguras durante a prática de atividades ao ar livre, incluindo a observação de aves, apenas pelo fato de serem negras. 

Precisamos transformar a observação de aves e torná-la mais inclusiva. O acesso à natureza deve ser um direito e não privilégio.